logo banner

Promotoria obtém condenação de policial por matar mulher em suposto furto

Por PATRICIA em 01/07/2022 às 13:26:20

Edson vai poder recorrer em liberdade no caso a ser definido pelo Tribunal de Justiça do DF e dos Territórios (TJDFT). Os jurados reconheceram a qualificadora de emprego de recurso que dificultou a defesa da vítima. Valéria não esperava pelo ataque e levou um tiro no rosto ao responder que não sabia onde estava a carteira. A Promotoria de Justiça avalia a possibilidade de recorrer.

Saiba Mais

Entenda o caso

O crime aconteceu em 12 de julho de 2017, no Gama. Edson e Valéria haviam saído juntos e, em dado momento, ele perguntou onde estava a carteira. Ela respondeu que não sabia. Edson, então, pegou a arma e disparou contra o rosto da vítima, que morreu devido aos ferimentos.

Na época, ele era policial militar da ativa em Goiás. Depois do crime, foi para a reserva remunerada no posto de 2º tenente. Antes do julgamento, estava preso cautelarmente. A reportagem tenta contato com os advogados de defesa de Edson. O espaço segue aberto para manifestação.

Fonte: Correio Braziliense

Comunicar erro
LINK NET

Comentários

AUTO ESCOLA